sábado, 26 de março de 2016

FAZ UM ANO, UM ANO FAZ


Esse dia veio após muitos problemas. Esse dia foi o auge, um marco do meu trabalho. Nesse dia eu descobri que eu também era um artista, que o meu lugar também era no palco. Nesse dia o CORDAS&RIMAS nasceu de verdade, mesmo que já estivéssemos há alguns anos fazendo shows por aí. Nesse dia o meu nome foi atrelado ao do Cordas&Rimas assim como o do meu pai tinha sido há mais de trinta anos. Nesse dia e com o CD, nós gastamos quase quarenta mil reais. A RIMA nos proporcionou isso.
Mais do que um show de lançamento, foi um show de afirmação. Afirmação do que eu acredito e do que eu sou. Esse dia valeu por muitos. Esse dia vai continuar valendo mesmo que tudo mude, pois a nossa vida não é feita de fases, não, ela é feita de realizações. E quem sabe valorizar essas realizações é que é feliz de verdade. Parabéns Cordas&Rimas! Parabéns Rima! Parabéns pra mim, pro meu pai e pra minha mãe! Um ano do espetáculo lindo (que foi só a casca) mas do espetáculo verdadeiro que foi a nossa realização.
Quem viu o resultado e se emocionou, viu na verdade só parte do que estava acontecendo. Ninguém sentiu o que nós sentimos. O poder da RIMA está além. Obrigado a todos que participaram! Obrigado a todos que assistiram e proporcionaram tudo que aconteceu! E que o lançamento do próximo seja ainda mais bonito! 











(Arquivo das Academias de Música Rima-Aperfeiçoamento - Foto Gabriel Ferreira)

quinta-feira, 3 de março de 2016

APÓS O SHOW MÁGICO DOS ROLLING STONES

O maior banho de chuva da minha vida vai ser eterno. Jamais esquecerei a noite de ontem no Beira-Rio. Foi indescritível, ou como diria o rei Mick Jagger no seu português quase perfeito: "IMPRONUNCIÁVEL" a emoção que aqueles quatro velhinhos proporcionaram pra mim e pra todos os outros quase 50 mil gaúchos. "TRI FODA", mesmo, Mick... Tu e a tua "GURIZADA" conseguiram contagiar o nosso coração com a juventude eterna de vocês! Eu agradeço imensamente a oportunidade de vê-los vivos e energizados como quando tinham vinte anos. Keith Richards e Ron Wood: mais duas lendas da guitarra que tive o prazer de ver ao vivo. E Charlie Watts então? Um "lord" na bateria, com classe e jeito inconfundível. Sem contar os músicos maravilhosos que acompanham a maior banda de todos os tempos, completando ainda hoje uma das melhores sonoridades possíveis! Foi demais, 02/3/16 nunca vai sair da minha memória, e vou contar sobre ele pro resto da minha vida!

Foto: Duda Bairros/Divulgação